Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Próximas iniciativas
Nenhum evento
Newsletter


Receber em HTML?

Sessão pública | A produção nacional, o fim das quotas leiteiras - O caso da RENOLDY | Alpiarça

 

PCP solidário com os trabalhadores da Renoldy | 16 de Abril de 2015 | Alpiarça

PCP solidário com os trabalhadores da Renoldy - Alpiarça
A Direcção da Organização Regional de Santarém do PCP manifesta a sua solidariedade com os trabalhadores da Renoldy face à injusta situação criada e que pode arrastar para o desemprego cerca de 60 trabalhadores, com os consequentes impactos sociais para as suas famílias e para o concelho de Alpiarça.
O PCP considera que a intenção de encerramento da fábrica não está desligada da dependência que hoje se verifica no sector alimentar de centenas de Micro, Pequenas e Médias Empresas em relação às grandes distribuidoras, que desta forma usam e abusam no que toca à definição dos preços a pagar aos produtores.
Como se tal não bastasse, com o fim das quotas leiteiras imposto pela UE a partir de Março de 2015, contando com o apoio do PS, PSD e CDS-PP, abriu-se caminho ao aumento da produção de leite na Europa, permitindo às grandes distribuidoras ir buscar leite muito mais barato a países (nomeadamente Polónia, França e Espanha) onde as condições climáticas são mais favoráveis e os apoios públicos são significativamente mais elevados.
Para o PCP, impõe-se com urgência que o actual governo do PSD/CDS-PP tome medidas no sentido da manutenção da Renoldy em funcionamento, protegendo desta forma os postos de trabalho que estão em risco.
O PCP apresentou uma pergunta ao governo na Assembleia da República, procurando assim conhecer que medidas estão a ser tomadas quando à ameaça de encerramento da Renoldy.
Apelamos aos trabalhadores para que se unam e lutem contra a ameaça de encerramento da empresa, reafirmando que podem contar com a solidariedade activa do PCP.
A verdadeira solução para este e outros problemas do concelho, da região e do país está na derrota da política de direita protagonizada pelos sucessivos governos do PS e PSD, com ou sem o CDS-PP, e na construção de uma alternativa política patriótica e de esquerda que defenda os interesses do país e a produção nacional e por um governo que não se ajoelhe em Bruxelas e que defenda condignamente os interesses de Portugal na União Europeia.
A acção e a intervenção do PCP em defesa da Renoldy
- No dia 30 de Julho, António Filipe, deputado do PCP na Assembleia da República, visitou a Renoldy e na reunião com os responsáveis da empresa, foram-lhe relatadas as dificuldades por que passava a empresa no que dizia respeito ao escoamento da produção;
- Os eleitos do PCP na Câmara Municipal sempre mantiveram contactos com os responsáveis da empresa, acompanhando as dificuldades relatadas. Mais recentemente, desenvolveram contactos com Ministério da Economia e a Comissão Parlamentar de Agricultura, no sentido da sensibilização para a gravidade da situação da empresa e para a necessidade de se encontrarem soluções que garantissem a sua viabilidade e os postos de trabalho;
A situação da Renoldy como instrumento para a baixa política
Os trabalhadores da Renoldy e a população, já os conhecem bem!
Na campanha eleitoral para as eleições autárquicas, ameaçavam trabalhadores da Câmara Municipal com perseguições e despedimentos; Prometiam empregos e funções de responsabilidade aos seus eventuais apoiantes em colectividades de que não eram dirigentes e trabalho na Renoldy;
Agora acusam os sindicatos e os seus dirigentes, que os trabalhadores da Renoldy elegeram, de serem os responsáveis pela situação criada;
A empresa está nesta situação, segundo eles, por causa das greves. A verdade é que não há nenhuma greve nesta empresa desde 2012;
Acusam ainda a Câmara Municipal e o PCP de ser responsável pelo encerramento da empresa, ou seja, a Renoldy tem a sua produção parada e não tem quem lhe compre leite, por culpa do PCP!
Mas não dizem uma palavra sobre:
- As responsabilidades do governo pelo estado a que o país chegou como consequência das suas políticas que conduziram ao encerramento de milhares de empresas por esse país fora e que destruíram o aparelho produtivo nacional;
- O papel altamente negativo dos monopólios da distribuição e das grandes superfícies neste e noutros sectores de actividade;
- A submissão do governo português aos interesses dos poderosos da União Europeia, de que o fim das quotas leiteiras é um bom exemplo;
DORSA do PCP

A Direcção da Organização Regional de Santarém do PCP manifesta a sua solidariedade com os trabalhadores da Renoldy face à injusta situação criada e que pode arrastar para o desemprego cerca de 60 trabalhadores, com os consequentes impactos sociais para as suas famílias e para o concelho de Alpiarça.

O PCP considera que a intenção de encerramento da fábrica não está desligada da dependência que hoje se verifica no sector alimentar de centenas de Micro, Pequenas e Médias Empresas em relação às grandes distribuidoras, que desta forma usam e abusam no que toca à definição dos preços a pagar aos produtores.

Como se tal não bastasse, com o fim das quotas leiteiras imposto pela UE a partir de Março de 2015, contando com o apoio do PS, PSD e CDS-PP, abriu-se caminho ao aumento da produção de leite na Europa, permitindo às grandes distribuidoras ir buscar leite muito mais barato a países (nomeadamente Polónia, França e Espanha) onde as condições climáticas são mais favoráveis e os apoios públicos são significativamente mais elevados.

Para o PCP, impõe-se com urgência que o actual governo do PSD/CDS-PP tome medidas no sentido da manutenção da Renoldy em funcionamento, protegendo desta forma os postos de trabalho que estão em risco.

O PCP apresentou uma pergunta ao governo na Assembleia da República, procurando assim conhecer que medidas estão a ser tomadas quando à ameaça de encerramento da Renoldy.

Apelamos aos trabalhadores para que se unam e lutem contra a ameaça de encerramento da empresa, reafirmando que podem contar com a solidariedade activa do PCP.

A verdadeira solução para este e outros problemas do concelho, da região e do país está na derrota da política de direita protagonizada pelos sucessivos governos do PS e PSD, com ou sem o CDS-PP, e na construção de uma alternativa política patriótica e de esquerda que defenda os interesses do país e a produção nacional e por um governo que não se ajoelhe em Bruxelas e que defenda condignamente os interesses de Portugal na União Europeia.

A acção e a intervenção do PCP em defesa da Renoldy

 - No dia 30 de Julho, António Filipe, deputado do PCP na Assembleia da República, visitou a Renoldy e na reunião com os responsáveis da empresa, foram-lhe relatadas as dificuldades por que passava a empresa no que dizia respeito ao escoamento da produção;

- Os eleitos do PCP na Câmara Municipal sempre mantiveram contactos com os responsáveis da empresa, acompanhando as dificuldades relatadas. Mais recentemente, desenvolveram contactos com Ministério da Economia e a Comissão Parlamentar de Agricultura, no sentido da sensibilização para a gravidade da situação da empresa e para a necessidade de se encontrarem soluções que garantissem a sua viabilidade e os postos de trabalho;

A situação da Renoldy como instrumento para a baixa política
Os trabalhadores da Renoldy e a população, já os conhecem bem!

Na campanha eleitoral para as eleições autárquicas, ameaçavam trabalhadores da Câmara Municipal com perseguições e despedimentos; Prometiam empregos e funções de responsabilidade aos seus eventuais apoiantes em colectividades de que não eram dirigentes e trabalho na Renoldy;

Agora acusam os sindicatos e os seus dirigentes, que os trabalhadores da Renoldy elegeram, de serem os responsáveis pela situação criada;

A empresa está nesta situação, segundo eles, por causa das greves. A verdade é que não há nenhuma greve nesta empresa desde 2012;

Acusam ainda a Câmara Municipal e o PCP de ser responsável pelo encerramento da empresa, ou seja, a Renoldy tem a sua produção parada e não tem quem lhe compre leite, por culpa do PCP!

Mas não dizem uma palavra sobre:

- As responsabilidades do governo pelo estado a que o país chegou como consequência das suas políticas que conduziram ao encerramento de milhares de empresas por esse país fora e que destruíram o aparelho produtivo nacional;

- O papel altamente negativo dos monopólios da distribuição e das grandes superfícies neste e noutros sectores de actividade;

- A submissão do governo português aos interesses dos poderosos da União Europeia, de que o fim das quotas leiteiras é um bom exemplo;

DORSA do PCP
 

Comício com Jerónimo de Sousa | 29 de Março de 2015 | Santarém

 

Realizou-se no passado Domingo, 29 de Março, um Comício em Santarém no quadro da actual campanha que o PCP está a desenvolver por todo o país sob o lema “Não ao declínio nacional, Soluções para o País!” no qual participou o Secretário-Geral do PCP, Jerónimo de Sousa.

Nesta iniciativa, que contou com a presença de mais de duas centenas de militantes e simpatizantes do PCP, foram valorizadas as muitas acções de luta que têm tido lugar já no início deste ano, com particular destaque para as grandes acções de convergência de 20 de Fevereiro, na greve do pessoal não docente do sector da Educação, na manifestação nacional descentralizada de 7 de Março, na Greve da Administração Pública de 13 de Março e na manifestação nacional de jovens trabalhadores de 28 de Março.

Ficou igualmente vincado nas intervenções que há alternativa para a política de direita protagonizada pelos sucessivos governos do PS, PSD e CDS-PP, uma alternativa patriótica e de esquerda que tem no PCP e na CDU um elemento determinante. A marcha nacional “A força do povo, todos à rua por um Portugal com futuro” convocada para o próximo dia 6 de Junho foi recebida com entusiasmo e compromisso de grande mobilização pelos presentes.
 

Almoço Comemorativo | 25 de Abril de 2015 | Tomar

 
Mais artigos...